Apresentação

Nesta aula, abordaremos o método de custeio variável, também denominado custeio direto, segundo o qual toma-se como custo de produção do período apenas os custos variáveis incorridos.

Os fixos, pelo fato de existirem mesmo sem haver produção, não são considerados um custo de produção, e sim uma despesa, sendo encerrados diretamente contra o resultado do período.

Pelo método de custeio variável, obtém-se a margem de contribuição de cada produto, linha de produtos e clientes, entre outros exemplos, o que possibilita aos gestores utilizá-lo como ferramenta auxiliar no processo decisório.

Objetivos

  • Identificar as metodologias do sistema de custeio variável;
  • Apontar as características e limitações deste sistema.

Conceito e tratamentos dos custos

O sistema de custeio variável segrega os custos e as despesas em variáveis e fixos. Nesse sistema, os custos de produção são aqueles que vão aumentar ou diminuir em função da quantidade produzida. O seu método também é conhecido como custeio direto, que é um tipo de custeamento que se fundamenta no pressuposto de que os custos fixos são considerados como aqueles do período necessários para manter a estrutura da empresa, sejam os produtos fabricados ou não. Assim, pelo método do custeio variável, os fixos adquirem a mesma classificação dada às despesas.

Portanto, no custeio variável, somente os custos variáveis de produção são alocados aos bens e serviços produzidos. Vale ressaltar que, no Brasil, o uso do dele se restringe a fins gerenciais, uma vez que, oficialmente, tanto por determinação do Fisco quanto pela observância dos princípios fundamentais de Contabilidade, deve-se, para custeamento dos produtos fabricados, adotar o sistema de custeio por absorção, que contempla como custo de produção tanto os custos diretos (variáveis) quanto os custos indiretos (fixos). Como a aplicação do termo direto ou variável nem sempre coincide exatamente com seus conceitos básicos, deve-se ter cautela com seu emprego.

ondemand_videoVÌdeo
Autor: stevepb (Fonte: Pixabay).

O sistema de custeio variável enxerga a apropriação e análise dos custos e despesas variáveis, independentemente de eles serem diretos ou indiretos aos produtos ou serviços, o que, confrontado com a receita do período, surge o conceito de margem de contribuição, técnica muito utilizada para a tomada de decisão gerencial nas organizações.

Comentário

Cabe ressaltar que o sistema de custeio variável não se enquadra com os princípios contábeis da competência e da confrontação, por isso não é aceito pela legislação fiscal nem pelas empresas de auditoria externas. Mas a não aceitação desse sistema pelas autoridades não impede que as organizações possam utilizá-lo internamente.

Demonstração de resultado no sistema de custeio variável

A gestão de custos oferece uma alternativa diferente de como demonstrar o resultado, apoiando a tomada de decisão:

Atenção

DRE do custeio variável

Receitas de vendas

(-) Custos e despesas variáveis

(=) Margem de contribuição

(-) Custos e despesas fixos

(=) Resultado

Margem de contribuição

É a quantia gerada pelas vendas que é capaz de cobrir os custos fixos da empresa e ainda gerar como resultado um lucro.

MC = PV – (CV + DV)

Em que...

MC: margem de contribuição;

PV: preço de venda;

CV: soma dos custos variáveis;

DV: soma das despesas variáveis.

ondemand_videoVÌdeo

Exemplo de aplicação do custeio variável com uso da margem de contribuição

Para a aplicação do custeio variável, assim como do custeio por absorção e ABC, podemos estabelecer alguns passos:

1º PASSO Separar custos e despesas;

2º PASSO Separar o que são custos fixos e o que são variáveis;

3º PASSO Os custos variáveis devem ser apropriados diretamente aos produtos;

4º PASSO Os custos fixos devem ser tratados conforme as despesas e lançados diretamente no resultado do período.

Esquematicamente, teríamos:

Fonte: BORGES, 2011, p. 50.

Agora, vamos praticar um exemplo de aplicação do custeio variável. A Fábrica Jacarandá S/A. é uma empresa que produz cadeiras. Em determinado período, apresentou os seguintes dados:

Quantidade produzida 2.000 un.
Quantidade vendida 1.900 un.
Madeira (MD) + MOD R$ 25/un.
Ferragem (MD) + MOD R$ 50/un.
Custos Indiretos R$ 13.000
Despesas Administrativas R$ 12.500
Despesas Variáveis R$ 10,00/un.
Preço de Venda R$ 180,00

Observando os dados anteriores, vamos calcular o resultado da empresa com base no conceito de custeio variável: são considerados custos variáveis (MD) material direto + (MOD) mão de obra direta.

Clique nos botões para ver as informações.Objeto com interação.

Separar custos e despesas.

Das informações anteriores, temos:

Madeira + MOD Custo
Ferragem + MOD Custo
Custos indiretos Custo
Despesas administrativas Despesa
Despesas com comissão das vendas Despesa

Separar o que são custos/despesas fixas e o que são variáveis

Madeira + MOD Custo variável
Ferragem + MOD Custo variável
Custos indiretos Custo fixo
Despesas administrativas Despesa fixa
Despesas com comissão das vendas Despesa variável

Os custos variáveis serão apropriados diretamente aos produtos fabricados.

Valores da cadeira
Madeira + MOD R$ 50.000 = (2000 un. x R$25,00)
Ferragem +MOD R$ 100.000 = (2000 un. x R$ 50,00)
Custos variáveis totais R$ 150.000

É importante ressaltar que, para elaborar a Demonstração de Resultados, dentro do Conceito de Custeio Variável, apenas a quantidade de unidades vendidas deve ser considerada para o cálculo do resultado; os custos fixos devem ser tratados conforme as despesas e lançados diretamente no resultado do período.

Assim, a demonstração de resultados da Fábrica Jacarandá S/A é:

(+) Receita de vendas R$ 342.000 = (1900 un. X R$180,00)
(–) CPV (custo variável) R$ 142.500 = (MD + MOD)
(-) Madeira +MOD R$ 47.500 = (1900 un. x R$25,00)
(-) Ferragem + MOD R$ 95.000 = (1900 un. x R$50,00)
(=) Resultado bruto R$ 199.500
(–) Despesas variáveis R$ 19.000 = (1900 un. x R$10,00)
(=) Margem de contribuição R$ 180.500
(–) Custos indiretos (fixos) R$ 13.000
(–) Despesas administrativas (fixas) R$ 12.500
(=) Resultado líquido R$ 155.000

Custo unitário no sistema de custeio variável:

  • Custo Var. Unit. = (MD + MOD) / QUANT. PRODUZIDA
  • Custo Var. Unit = R$ 75,00 = (47.500 + 95.000) / 2.000 Un.

O Valor do estoque final de produtos acabados será igual a:

  • (Estoque inicial + produção – Vendas) x Custo Var. Unit.
  • Estoque Final produtos Acabados = (0 + 2000 un. - 1900 un.) x R$ 75,00
  • Estoque Final produtos Acabados = 100 un. x R$ 75,00 = R$ 7.500,00

Conciliação dos resultados apurados pelo custeio por absorção e pelo custeio variável

Vamos comparar os resultados pelo custeio por absorção e pelo custeio variável. Uma forma explícita de comparar as diferenças entre os dois métodos de custeio é pela aplicação de um exemplo. A Cia. Brasileira apresentou os seguintes dados contábeis para determinado exercício social:

PRODUÇÃO 1.000 unidades acabadas
Custos fixos R$ 20.000,00
Despesas fixas R$ 4.000,00
Custos fixos R$ 20.000,00
Despesas fixas R$ 4.000,00

Atenção

  • Não há estoques iniciais e finais de produtos em elaboração;
  • Não há estoques iniciais de produtos acabados;
  • Vendas líquidas – 800 unidades a R$ 60,00 cada uma.

A apresentação da demonstração do resultado da empresa seria a seguinte, fazendo a comparação entres os métodos de custeios (variável x absorção):

Sistema de custeio variável Sistema de custeio por absorção
Vendas líquidas = 48.000,00 Vendas líquidas = 48.000,00
(-) Custos variáveis = 16.000,00 (-) CPV = 28.000,00
(=) Lucro bruto = 32.000,00 (-) Custos variáveis = 16.000,00
(-) Despesas variáveis = 4.000,00 (-) Custos fixos = 12.000,00
(=) Margem de contribuição = 28.000,00 (=) Lucro bruto = 20.000,00
(-) Custos fixos = 12.000,00 (-) Despesas fixas = 6.000,00
(-) Despesas fixas = 6.000,00 (-) Despesas variáveis = 4.000,00
(=) Lucro líquido = 10.000,00 (=) Lucro líquido = 10.000,00

É possível notar que o custo dos produtos vendidos (CPV) é maior no custeio por absorção. Isso se deve ao fato de que os valores dos custos fixos são também apropriados a cada unidade produzida e posteriormente vendida. Os gastos (custos) para produzir cada unidade foram de R$ 32,00, correspondendo a R$ 12,00 de custos fixos mais R$ 20,00 de variáveis.

Conciliação dos resultados apurados pelo custeio por absorção e pelo variável:

RELAÇÃO EFEITO NO ESTOQUE EFEITO NO LUCRO
Produção = vendas Sem variação Lucro por absorção = Lucro pelo variável
Produção > vendas Aumento de estoque Lucro por absorção > Lucro pelo variável
Produção < vendas Diminuição de estoque Lucro por absorção < Lucro pelo variável
ondemand_videoVÌdeo

Cabe ressaltar que tanto o método do custeio por absorção como o método do custeio variável utilizam os mesmos dados referentes à produção e aos custos. Eles se diferenciam apenas no tratamento dado aos custos e às despesas fixas. Para efeito de tributação pelo fisco brasileiro, somente o Custeio por Absorção é aceito.

O quadro a seguir faz uma comparação das vantagens e desvantagens dos dois sistemas.

Quadro: Vantagens e desvantagens dos dois sistemas de custeios

VANTAGENS DESVANTAGENS
Custeio por absorção

1) A permissão legal do Custeio por Absorção pela legislação comercial e fiscal, inclusive para apresentação de demonstrações contábeis para o pagamento do imposto de renda.

2) No Custeio por Absorção todos os custos são apropriados aos produtos e serviços; os custos variáveis de forma direta, e os fixos são absorvidos por cada produto por meio de rateios.

1) Os custos fixos, independentemente de produção e venda, existem e terão de ser suportados pela empresa, por isso os custos fixos devem ser encarados como gastos necessários para que a empresa tenha condições de produzir, e não como gastos de um produto específico.

2) A adoção do Custeio por Absorção não permite comparação em bases unitárias quando há alteração no volume de produção.

Custeio variável

1) Os custos dos produtos podem ser comparados em bases unitárias, independentemente do volume de produção.

2) Os custos fixos, por se apresentarem separados nos relatórios e demonstrações, podem ser mais bem controlados, facilitando tempo e trabalho com a apresentação de informações e fornecimento de instrumentos de decisão dentro da empresa.

1) Na prática, a separação de custos fixos e variáveis não é tão clara como parece.

2) Parte dos custos fixos não é provocada pela produção em si e não está associada diretamente aos produtos e serviços, mas apenas necessária para dar à empresa condições de produzir.

Atividades

1. Para aplicação do custeio variável, assim como do Custeio por Absorção e ABC, podemos estabelecer alguns passos. Qual opção não é um desses passos?


2. A__________ é a quantia gerada pelas vendas que é capaz de cobrir os custos fixos da empresa e ainda gerar como resultado um lucro.


3. Pode-se citar como vantagem no custeio variável que ____________ podem ser comparados em bases unitárias, independentemente do volume de produção.


4. Pelo método do Custeio Variável, ___________ adquirem a mesma classificação dada às despesas.


5. Um analista, comparando os dois métodos de custeio, conclui que: se toda a produção do mês for vendida, e não houvesse estoques anteriores, o________________________.


Notas